quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

PRIMEIROS PASSOS

Ele se apoia na parede e, lentamente, se põe de pé. Fica na mesma posição por alguns segundos. Talvez, acostumando os pés e as pernas a essa nova posição [a que ele ficará grande parte da sua vida]. Arrisca o primeiro passo. Devagar. Primeiro passo vencido. Segundo passo. Terá que se afastar da parede e parece ponderar isso. Pé ante pé, ele consegue dar seus primeiros passos. Ops! Caiu!
Olha para os lados, um pouco desconcertado, mas como não tem ninguém por perto olhando, não adianta chorar. Então, é levantar novamente.
Observa seus pés, como que querendo entendê-los. Tenta, a sua maneira, dialogar com seus pés. Quer ter a certeza que eles lhes sustentarão [mal sabe ele que, será dependente de seus pés a partir do momento que conquistar os primeiros passos]. Os pés – também a sua maneira – indicam que estão com ele para o que der e vier.
Procura o apóio mais próximo para se reerguer. Os pés protestam, dizem que ele já não precisa disso. Basta querer levantar, afinal, é pra isso que eles servem. Com algum esforço, se levanta.
Um pé à frente, depois outro, outro e mais outro. A excitação é inevitável! Olha para baixo, e os pés se mostram satisfeitos, sabem que o estão impressionando. É um feito fantástico se locomover nesta nova posição: Em pé!
Sem muito jeito, olha para o lado e vê seus brinquedos. Devagar, muda de direção [é realmente fantástico poder ir para aonde quiser!]. Pé ante pé vai até os brinquedos. Porém, percebeu que os brinquedos estavam muito próximos. Não, ele sente que, com sua curiosidade – e seus pés –, pode explorar outros lugares. Pode ir mais longe.
Pronto, foi selado um pacto entre eles.

Ele irá conhecer a casa e, em breve, o mundo. Pé ante pé.

8 comentários:

Rackel disse...

Poxa... queria me lembrar de como foi essa epoca da minha vida... dar os primeiros passos em direção à vida (pq ele começa a explorar o mundo a partir desses passos)...

=)

Tem hr q esquecemos q as coisas se conquistam 'pé ante pé'...

Bom texto, moço.
e obrigada pela vistita lá no blog!

bjão

palirto disse...

com já estou bem grandinho, é impossível lembrar daqueles primeiros passoss... hehehe... mas, posso pensar nos primeiros passos de cada dia que me levam ao meu futuro... valeu pelo texto, mano... inté

Andrea disse...

lindo como sempre... Dan, tu sabe que ja esta no ranling dos meus escritores preferidos né ??
beijão

Renato Alt disse...

Belo texto.
A parcimônia, quase que por lei, leva a grandes conquistas. É difícil termos a calma necessária, quando tudo o que existe no mundo, hoje, é imediatismo.
Suas palavras nos dão o que pensar... parabéns.
Abraços.

Danilo Maia disse...

'Brigado, Rackel! E eu é que agradeço sua visita por aqui.

_______x__________

Pois é, Paulo, a gente pode não lembrar dos passos passados, mas podemos planejar os passos que nos levam ao futuro. Coisa que você sempre soube fazer, né?! Parabéns para mim, pelo texto, e parabéns para você, por colocar esses "primeiros passos" em prática!

___________x___________


Ô, Déia, não fala assim qu'eu fico morrendo de vergonha. Além do mais que, meu ego ficou tão grande que eu aumentei os dez quilos que havia "perdido" [e não fazia questão de achar. hehe].


_______________x________


'Brigado, Renato!!

As suas palavras também, nos dão muito o que pensar, sonhar, sorrir e desejar. Parabéns pelos seus textos também! =]

blue bird disse...

adorei os pés satisfeitos..

Nanda Soares® disse...

Pensei no Davi na hora que li esse texto!
srsrs

Fiquei imaginando os primeiros passos do meu sobrinho postiço que eu nem conheço ainda!
Muito fofo!!!!
*_*

Danilo Maia disse...

Ah, Branquinha, eles sempre ficam satisfeitos quando a gente reconhece o valor deles.

____________X___________


hehe Pois é, Nan, quando ele começou a andar foi lindo!! Pena que, mal começou a andar, aí já aprendeu a correr, pular, e, daqui a pouco, já vai ser um rapaz [aí, isso é tão triste!].